ENTENDER O MUNDO/ARTIGOS TEMÁTICOS
Fonoaudiologia: a terapia da fala e da audição
 
Conheça Enciclopédia
 
    ARTIGO      
 FONOAUDIOLOGISTA Imprimir Enviar Guardar
 
  A comunicação humana é um elemento indispensável para que haja um bom desenvolvimento e aprendizado.

A fonoaudiologia é uma especialidade médica recente – surgida em fins do século XIX – voltada para os problemas da comunicação com características muito específicas que a aproximam tanto das ciências exatas quanto das ciências humanas, sem deixar de incluir, por conta de sua origem médica, as ciências biológicas. Ela é, portanto, uma ciência holística que integra diferentes saberes humanos. A fonoaudiologia forma profissionais chamados fonoaudiólogos que irão tratar dos mais diversos problemas da chamada fonação – a produção de sons e da linguagem por meio da voz – e também dos possíveis problemas que afetem a audição de um indivíduo.

OS QUATRO CAMPOS BÁSICOS
Uma lista de todas as doenças, condições médicas ou situações sociais em que a fonoaudiologia pode atuar e ajudar a mitigar ou resolver os problemas médicos listados seria bastante extensa. De tratamentos de gagueira, dicção e surdez a questões relativas à mastigação e deglutição de alimentos, passando por problemas de respiração e reabilitação de sequelas na voz causadas por doenças graves como câncer ou acidentes físicos, o campo de atuação do fonoaudiólogo é amplo. Pode-se dividir a fonoaudiologia, no entanto, em quatro especialidades básicas: motricidade, audição, voz e linguagem.

MOTRICIDADE
Imagine ter algum tipo de problema para mastigar ou engolir um alimento. Com essa capacidade afetada, os problemas de saúde daí decorrentes podem tornar-se bastante graves. Afinal, sem poder se alimentar, o corpo deixará de receber os nutrientes essenciais para o seu desenvolvimento e manutenção. Pior do que isso, no entanto, podem ser os problemas associados à respiração. Sem respirar, obviamente, ninguém sobrevive.

Todas essas funções do corpo humano são realizadas pelos músculos, ossos e elementos da face, boca e garganta e a articulação mecânica e fisiológica entre esses componentes. Tudo que se relacione à melhora ou reabilitação da respiração, sucção, mastigação, deglutição, expressão facial ou articulação da fala, na especialidade da fonoaudiologia, recebe o nome de motricidade facial ou oral, pois é por meio de uma força motriz, voluntária ou automática, que essas partes do corpo se movimentam e realizam sua função específica.


AUDIÇÃO
É comum imaginar que tudo que se refira a problemas de audição, como sua redução ou perda total, seja da alçada de um outro especialista médico: o otorrinolaringologista. O fonoaudiólogo, porém, também trata dos problemas relacionados à audição. Sua atuação, no entanto, se dá com mais intensidade nos aspectos auditivos envolvidos na aquisição da comunicação oral, pois é por meio do ouvir que o ser humano aprende a falar.

Em geral, o fonoaudiólogo cuida de problemas provocados por alterações auditivas ocorridas durante a gestação do bebê ou causadas por exposição a ruídos intensos ou uso inadequado de alguns medicamentos, os chamados ototóxicos, isto é, remédios que podem produzir efeitos tóxicos sobre os órgãos ou nervos responsáveis pela audição, causando variados tipos de surdez.


VOZ
A voz de uma pessoa é uma de suas características mais marcantes. Por meio dela, a identificamos mesmo na sua ausência física. Ela poderá estar atrás de um biombo, em um outro ambiente da casa ou do trabalho e até mesmo em outro país. Basta escutarmos sua voz para sabermos de quem se trata.

Agora, imagine ter uma voz áspera, rouca, fraca ou de difícil emissão. Sem dúvida, você enfrentará contratempos por causa disso e até problemas de relacionamento pessoal ou profissional. Para tratar das disfonias – problemas da voz falada – ou até mesmo cantada, fenômeno conhecido como disonia, o fonoaudiólogo aplicará seus conhecimentos para avaliar, prevenir ou tratar esses problemas.


LINGUAGEM
A linguagem é dos elementos mais importantes da vida pois é por meio dela que a comunicação entre os seres humanos se torna possível. Ter essa capacidade reduzida por motivos clínicos como dificuldade de se expressar ou de compreender pode acarretar inúmeros problemas sociais ou profissionais.

São diversos os problemas de linguagem que o fonoaudiólogo trata, entre os quais, a demora para falar ou se expressar, falar frases de forma incompleta ou não conseguir terminá-las, pular palavras ou frases inteiras, trocar os fonemas das palavras, gagueira, assim como os problemas daí derivadas na leitura ou escrita das palavras e frases.

Esse trabalho pode ser realizado desde a primeira infância até as idades mais avançadas, pois suas causas são múltiplas, desde um desenvolvimento inadequado da linguagem a problemas causados por doenças como acidentes vasculares cerebrais a mal de Alzheimer ou de Parkinson.


A PROFISSÃO DE FONOAUDIÓLOGO
O primeiro país do mundo a reconhecer a fonoaudiologia como profissão foi a Hungria, em 1900. Nesse mesmo ano, criou-se no país europeu a primeira faculdade destinada a formar fonoaudiólogos.

No Brasil, a profissão é mais recente. Data de 1977 a criação do primeiro curso superior de fonoaudiologia no país, na Universidade de São Paulo (USP). Antes disso, a fonoaudiologia era estudada como apêndice de cursos de medicina, como no curso associado à Clínica de Otorrinolaringologia do Hospital das Clínicas da USP, em 1961, ou de psicologia, como no curso associado ao Instituto de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Atualmente, mais de três dezenas de universidades ou faculdades nacionais possuem cursos de fonoaudiologia.

A criação do primeiro bacharelado em fonoaudiologia, na USP dos anos 1970, não representava, ainda, o reconhecimento oficial da profissão. Esta só foi obtida em 9 de dezembro de 1981, quando a profissão de fonoaudiólogo foi finalmente reconhecida por meio do Decreto-Lei nº 6965.


FORMAÇÃO ACADÊMICA
O interessado em formar-se fonoaudiólogo deverá cursar um dos muitos cursos oferecidos no país. Em média, esses cursos duram quatro anos e incluem em sua grade curricular disciplinas das ciências exatas, das ciências biológicas e da saúde, das ciências sociais e humanas e das ciências especificamente fonoaudiológicas.

Do primeiro grupo, isto é, o composto por disciplinas de exatas, humanas e biológicas, o graduando de fonoaudiologia estuda matérias como biofísica linguística, fisiologia do aparelho respiratório, anatomia, pedagogia, psicologia, linguística, fundamentos de biologia e ciência do comportamento, entre outras.

As disciplinas específicas do saber fonoaudiológico são as de conteúdos referentes ao desenvolvimento da linguagem, aos recursos para o seu aprimoramento, além dos seus distúrbios e das técnicas e métodos de avaliação, diagnóstico, terapia e prevenção desses distúrbios. A nomenclatura das disciplinas varia de curso para curso, nesses casos.


MERCADO DE TRABALHO
O fonoaudiólogo atua nos mais diversos lugares. O profissional de fonoaudiologia poderá trabalhar em ambulatórios médicos, hospitais, maternidades, consultórios e clínicas médicas. Além desses locais diretamente ligados à saúde, asilos, casas de repouso, creches e berçários também podem contar com fonoaudiólogos.

Por tratar de problemas relacionados à fala, voz e comunicação, o profissional formado em fonoaudiologia também encontra trabalho em escolas, universidades, empresas e veículos de comunicação como estações de rádios, emissoras de televisão ou de arte e entretenimento como teatros e casas de espetáculo.