ENTENDER O MUNDO/ATUALIDADES
Novo Ministério
JANEIRO 2019
 
 
Conheça
#FFFFFF
    ARTIGO      
 MINISTÉRIO
Imprimir Enviar Guardar
 
O governo do novo presidente Jair Bolsonaro formou um ministério que acabou com inúmeras pastas. Muitas pastas foram incorporadas por outras e no total o país passou a ter 22 ministérios, ou seja, sete menos que o do governo anterior de Michel Temer. As 22 pastas são:

Casa Civil
O deputado federal Onyx Dornelles Lorenzoni (DEM-RS) vai comandar a pasta da Casa Civil. Ele será o principal interlocutor do governo com o Congresso Nacional. Durante a transição, Lorenzoni coordenou todo o processo de passagem do governo Temer para o governo Bolsonaro. Na Casa Civil, ele será responsável por publicar nomeações e exonerações e coordenar os mais importantes programas propostos pela nova administração. Deputado federal desde 2002, Lorenzoni é formado em medicina veterinária.

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil



Gabinete de Segurança Institucional
O Oficial da reserva, o general Augusto Heleno Ribeiro Pereira será novo chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI). Heleno comandou a Missão das Nações Unidas para a Estabilização o Haiti (Minustah), entre 2004 e 2005. No final do segundo governo Luiz Inácio Lula da Silva, ele foi comandante militar da Amazônia.

Ministério da Economia
O economista Paulo Guedes, que foi chamado de “Posto Ipiranga” por Bolsonaro durante a campanha, ocupará o Ministério da Economia (unindo Fazenda, Planejamento e Indústria e Comércio). Guedes responderá pelas medidas de corte de gastos públicos, privatizações e um defensor da Reforma da Previdência. Formando em economia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com mestrado e PHD pela Universidade de Chicago.

Ministério da Justiça e da Segurança Pública
O juiz federal Sergio Moro, como Paulo Guedes, também terá poderes de superministro e assumirá o Ministério da Justiça. Ele será o responsável pela Secretaria de Segurança Pública e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Moro é formando em direito pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), com mestrado e doutorado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Ministério da Ciência e Tecnologia
O astronauta Marcos Pontes assumiu o Ministério de Ciência e Tecnologia. Oficial da reserva, o militar representará a Aeronáutica no governo. Formando em engenharia pelo ITA e mestre em engenharia de sistemas pela Naval Postgraduate School, na Califórnia, nos EUA, ele foi o primeiro brasileiro a cumprir uma missão no espaço. 

Ministério da Agricultura
Tereza Cristina, deputada federal pelo DEM do Mato Grosso do Sul, engenheira agrônoma e empresária do agronegócios, assumiu o Ministério da Agricultura. Tereza Cristina é presidente da FPA e tem uma longa trajetória no setor. Uma das lideranças do agronegócio no Congresso Nacional, Cristina já foi secretária de Desenvolvimento Agrário da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo de Mato Grosso do Sul durante o governo de André Puccinelli (MDB).

Ministério da Defesa
Militar da reserva e ex-assessor do presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, o general Fernando Azevedo e Silva assumiu o Ministério da Defesa do novo governo. Ele é formado pela Academia Militar das Agulhas Negras.

Ministério das Relações Exteriores
Ernesto Fraga Araújo assumiu o Ministério das Relações Exteriores. Formado em letras pela Universidade de Brasilia, Araújo é diplomata há 29 anos.

Banco Central
O economista Roberto Campos Neto, de 49 anos, vai comandar o Banco Central. Formado em economia, pela Universidade da Califórnia, em Los Angeles, com especialização em finanças, o novo presidente do Banco Central, que é e neto do ex-ministro Roberto Campos, ocupou o posto de executivo do banco Santander. Ele substituirá Ilan Goldfajn, que não aceitou o convite para permanecer no cargo feito pelo atual governo.

Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União
Servidor de carreira e ex-capitão do Exército, Wagner de Campos Rosário vai continuar no cargo de ministro da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), que ocupa desde maio de 2017. Rosário é formado em ciências militares pela Academia das Agulhas Negras, com mestrado em Combate à Corrupção e Estado de Direito pela Universidade de Salamanca, na Espanha.          

Ministério da Saúde
Ortopedista pediátrico formado pela Universidade Gama Filho, o deputado federal Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), de 53 anos, vai assumir o Ministério da Saúde a partir de janeiro de 2019. Mandetta possui especializações em Ortopedia pelo serviço de Ortopedia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e em Ortopedia Infantil pelo Scottish Rite Hospital for Children, em Atlanta (EUA). Ele também atuou como médico militar tenente, no Hospital Geral do Exército, em Campo Grande, em Mato Grosso do Sul.

Advocacia-Geral da União
Advogado da União desde 2000 e com pós-graduação em Governança Global, André Luiz de Almeida Mendonça vai assumir a Advocacia-Geral da União. Formado em direito e teologia — Mendonça é pastor evangélico —, ele concluiu seu doutorado Estado de Derecho y Gobernanza Global, em 2018, na Universidade de Salamanca, na Espanha.

Secretaria-Geral da Presidência da República
O advogado Gustavo Bebianno Rocha será o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência. Presidente do PSL durante a campanha eleitoral, Bebiano é formado em direito pela PUC do Rio de Janeiro, é mestre em Finanças Corporativas pela University of Illinois (EUA), possui pós-graduações em Gestão Corporativa pelo IBMEC-RJ, em Administração de Empresas pela PUC-RJ e em Direito da Economia e da Empresa pela FGV-RJ.

Ministério da Educação
Filósofo é professor emérito da Escola de Comando e Estado Maior do Exército, Ricardo Vélez Rodríguez assumirá o Ministério da Educação. Colombiano, Vélez Rodríguez possui mestrado em Pensamento Brasileiro pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, doutorado em Pensamento Luso-Brasileiro pela Universidade Gama Filho e pós-doutorado pelo Centro de Pesquisas Políticas Raymond Aron, de Paris, na França.

Secretaria de Governo
O general-de-divisão Carlos Alberto Santos Cruz será novo secretário de governo. O órgão tem status de ministério. Formado em engenharia civil, Cruz comandou as missões de paz da ONU no Haiti (2007 a 2009) e na República Democrática do Congo (2013 a 2015).

Ministério da Infraestrutura
Tarcísio Gomes de Freitas irá assumir o Ministério da Infraestrutura, que vai abranger os setores de transporte aéreo, terrestre e aquaviário. Formado pelo Instituto Militar de Engenharia (IME), Freitas foi oficial do Exército por 16 anos.

Ministério do Desenvolvimento Regional
Atual secretário-executivo do Ministério da Integração Nacional, Gustavo Henrique Rigodanzo Canuto vai assumir o Ministério do Desenvolvimento Regional. Formando em graduado em engenharia de computação pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e em direito pelo UniCEUB (Centro Universitário de Brasília), Canuto era secretário-executivo do Ministério da Integração Nacional do governo Temer.

Ministério da Cidadania
Ex-ministro do Desenvolvimento Social no governo Temer, Osmar Gasparini Terra vai assumir o Ministério da Cidadania, que vai fundir as atribuições dos ministérios do Esporte, da Cultura, além da Secretaria Nacional de Política sobre Drogas (Senad), vinculada anteriormente ao Ministério da Justiça. Formado em medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Terra fez mestrado em neurociência pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/RS).

Ministério do Turismo
O deputado federal Marcelo Álvaro Antônio (PSL), que integra a frente parlamentar evangélica no Congresso, será o ministro do Turismo. Ele está no segundo mandato na Câmara dos Deputados, sendo o deputado mais votado de Minas Gerais nas últimas eleições, com mais de 230 mil votos.

Ministério de Minas e Energia
O almirante-de-esquadra Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Júnior assumirá o Ministério de Minas e Energia. Ele é pós-graduado em Ciências Políticas pela Universidade de Brasília (UnB), possui MBA em Gestão Internacional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e MBA em Gestão Pública pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos
A líder evangélica e advogada Damares Alves assumirá o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. Assessora do senador Magno Malta (PR-ES). A nova ministra também vai comandar a Fundação Nacional do Índio (Funai), agregada à sua pasta.

Ministério do Meio Ambiente
Advogado e administrador, Ricardo de Aquino Salles foi secretário particular de Alckmin entre 2013 e 2014 e secretário de Meio Ambiente de São Paulo de 2016 a 2017. Líder do Movimento Endireita Brasil, Salles é formado em direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e fez pós-graduação nas universidades de Coimbra e de Lisboa, em Portugal.

Para saber mais, leia também