ENTENDER O MUNDO/ATUALIDADES
Como estudar sozinho para o vestibular?
NOVEMBRO 2017
 
 
Conheça
#FFFFFF
    ARTIGO      
 UMA EMPREITADA POSSÍVEL
Imprimir Enviar Guardar
 
Na hora de se preparar para o vestibular, o mais comum é que o estudante se matricule em um cursinho e siga as orientações dos professores, que já definem calendários, temas e dão dicas sobre como fazer as provas e para quais temas dar mais atenção.

Mas esse não é o único caminho possível, e muitos alunos acabam optando por estudar sozinhos, seja por dificuldades financeiras ou por preferência. De acordo com dados divulgados pela Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest), em 2009, 29,4% dos alunos aprovados não contaram com o suporte de um curso preparatório. Quatro anos depois, este número aumentava para 37,5%.

O fato é que, frequentando aulas ou não, para ser aprovado num vestibular concorrido, aprender a estudar sozinho é fundamental e exige disciplina, foco e planejamento.


Autoconhecimento
Quando desejamos alcançar um grande objetivo, que exige de nós muita dedicação e esforço, uma das armas mais importantes é o autoconhecimento. Não existe uma fórmula que funcione para todo mundo; portanto, você deve achar a fórmula que funcione para você.

A primeira grande decisão é escolher a profissão para a qual quer estudar. Nessas horas, é muito comum que o candidato se confunda sobre quais são as suas próprias aspirações e sobre o que ele acredita que a família e a sociedade esperam dele. Não fazer um exercício de autoescuta pode acabar fazendo com que você se dedique a uma carreira com a qual não se identifique e na qual não conseguirá se sair bem. E o resultado só pode ser muita frustração. Uma frustração que pode ser evitada.

Do que você gosta? O que você faz bem? Qual é o tipo de trabalho que você gostaria de fazer? Como você se imagina no futuro? Quais são suas prioridades na vida? Como vivem as pessoas que cursaram a mesma graduação que você quer cursar? Em qual universidade você deseja estudar? Em qual universidade é possível estudar? Buscar responder a todas essas perguntas pode ser um bom começo.

Não tenha medo de errar. Embora seja uma decisão importante, a escolha de um curso de graduação não é necessariamente definitiva, e seu caminho será construído passo a passo. Se houver a necessidade de uma mudança no futuro, nada impede que você possa fazê-la.

Definido o curso, pense: Qual é o seu objetivo? Qual é o seu estilo de estudo? Quais seus pontos fortes e pontos fracos? Em que horários você rende mais? Como é sua rotina? Quanto é possível estudar? Tente responder a todas essas perguntas antes de começar e paute-se nelas na hora de traçar seu plano de estudos.


Montando um plano de estudos
Depois de fazer uma reflexão sobre quais são seus desejos e possibilidades, é hora de montar um plano de estudos realista. Defina quais matérias precisam ser estudadas e estabeleça pequenas metas, que possam dar a você a sensação de dever cumprido todos os dias, em vez de criar metas fantásticas que só um super-herói seria capaz de cumprir. Dessa forma, você não vai se sentir frustrado, mas estimulado a seguir.

No seu cronograma, lembre-se de reservar o tempo das aulas (se estiver frequentando um cursinho), de atividades físicas, de pausas para refeições, de descanso e de lazer. Planejando bem, não haverá desperdício de tempo, e sentar e estudar vão fazer parte de seu cotidiano de uma forma mais leve e não como um grande sacrifício.

Quanto aos conteúdos estudados, defina quais são suas prioridades: O que tem mais peso para a prova que você vai fazer? Quais são suas maiores dificuldades?

Uma dica boa é estudar duas matérias de natureza diferentes por dia; por exemplo, uma de exatas e uma de humanas. Dar atenção à redação também é importante, pois ela costuma representar boa parte da pontuação. No Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), ela corresponde a 50%. Isso pode ser feito semanalmente, buscando seguir possíveis temas, tamanho e tempo disponíveis para a atividade no dia da prova.


Preparando o espaço
Além de ter um plano de local, é preciso criar um ambiente propício para desenvolver essa atividade. O ideal é que você tenha uma espaço só pra isso, que deve ser organizado, limpo, iluminado, confortável, arejado e silencioso. Um espaço adequado favorece muito a concentração e a produtividade. Evite improvisar seu local de estudos. Ler deitado na cama, por exemplo, só vai deixá-lo com sono e dor nas costas.

Se não for possível ter um espaço só pra os estudos, verifique qual dos cômodos da casa poderia exercer essa função diariamente: quarto, sala, cozinha etc. Neste caso, é preciso contar com um esforço maior no sentido da organização e com apoio e respeito da família, que deve procurar não perturbar o estudante durante suas atividades. Para garantir a concentração, o candidato também deve ficar atento para eliminar possíveis elementos de distração à sua volta, como computador, rádio, televisão, telefone etc.

No seu espaço de estudo, é importante manter também todo o material necessário à sua disposição, assim você evita interrupções desnecessárias. Além de cadernos, lápis, canetas e borracha, é fundamental buscar boas fontes de informação: dicionários, livros, apostilas, provas antigas e resoluções comentadas etc.

A internet, quando bem utilizada, é uma ótima fonte de estudo. Nela, estão disponíveis vídeos e sites com dicas, informações e notícias. Até mesmo nas redes sociais, é possível seguir páginas especializadas e tirar dúvidas. O perigo é que as fontes de distração na internet também são muitas, então é preciso ficar atento.


Atualizando-se e fazendo conexões
A organização e a disciplina podem exigir algum esforço inicialmente, mas são instrumentos que vão ajudá-lo a manter a calma e a diminuir a ansiedade durante todo o processo, já que dão uma sensação maior de controle da situação e evitam que você perca tempo estudando novamente o que já foi estudado. Por isso a atenção também é importante, porque permite que, quando um assunto for visto novamente, ele seja apenas revisado, o que é muito mais rápido do que começar do zero.

Tente priorizar a compreensão em vez de apenas buscar decorar conteúdos. O entendimento de um tema vai ajudá-lo a fixá-lo muito melhor e vai permitir que você faça conexões com os outros temas e assuntos. Busque atualizar-se, ler notícias e acompanhar os principais eventos do mundo, que tendem a ser trabalhados em questões do vestibular e a ser temas de redação. Jornais, revistas, internet e TV servem bem a esse propósito. Nesse caso, também leva vantagem quem consegue estabelecer uma conexão entre a atualidade e os diversos temas estudados para o vestibular.

Nos casos em que a memorização é indispensável, busque de que forma isso será melhor fixado por você: fazendo seu próprio esquema, adaptando uma música, criando mapas mentais etc.

Não se esqueça de treinar, que é uma das formas mais eficientes de estudar e se preparar para um exame. Faça simulados, busque exames antigos, marque tempo, recrie as condições do exame... tudo isso vai ajudar muito. Mais do que dominar conteúdos, é preciso estar preparado para a prova, saber como ela funciona. Reservar um tempo na semana para simulados é uma boa ideia.


Saúde, descanso e lazer
Tomados pelo desejo de estar bem-preparados para o vestibular, muitos estudantes se esquecem de uma ferramenta imprescindível: uma boa saúde. Por mais que os assuntos sejam extensos e os compromissos sejam muitos, não se descuide da alimentação, durma bem e faça exercícios físicos. Só assim será possível manter o bem-estar da mente e do corpo, o que ajuda muito no aprendizado, na concentração, na memória, bem como no equilíbrio emocional necessário na hora de fazer a prova, pois as atividades físicas ajudam na redução dos níveis de estresse.

O mesmo vale para as horas de descanso e lazer: são indispensáveis. Não se isole do mundo. Relaxar e cultivar as amizades só faz bem. Sem esses momentos de prazer, o corpo reage à sobrecarga e você não consegue absorver todo o conteúdo que se dispôs. É preciso ter uma válvula de escape. Uma possibilidade de unir o útil ao agradável é ler livros, ir a museus e assistir filmes que complementem os temas estudados.

Uma boa dica é fazer um relaxamento de cerca de dez minutos todos os dias antes dos estudos: concentre-se em bons pensamentos, em coisas que o acalmem. Não deixe de viver e cuide bem de si mesmo. Esta é a maior chave para o sucesso.


LEIA TAMBÉM
Escrever bem, 20 dicas práticas

O autoconhecimento é a maior arma.

O Enem e os vestibulares pelo mundo