ENTENDER O MUNDO/BIOGRAFIAS
Jorge Fernando- ator e diretor brasileiro
 
 
Entenda
    ENTENDA      
 ATOR E DIRETOR BRASILEIRO
Imprimir Enviar Guardar
 
 
 
Jorge Fernando Rebello de Medeiros, mais conhecido como Jorge Fernando (1955 – 2019), foi ator e diretor de televisão brasileiro. Nascido no Rio de Janeiro, o ator era filho da também atriz Hilda Rebello.

Jorge Fernando começou seu interesse pela dramaturgia ainda jovem. Seus primeiros atos foram dados no Colégio Estadual Visconde de Cairu, que ficava localizado no Méier, Zona Norte do Rio de Janeiro, onde teve suas primeiras aulas de teatro e seus primeiros contatos com a arte.

O Colégio Estadual Visconde de Cairu, que recentemente (2018) completou 100 anos, é uma das mais tradicionais escolas públicas do Rio de Janeiro. Nos anos 1960, a unidade era uma das mais requisitadas da cidade, por alunos que saíam do primário. Naquele período, o exame para admissão de novos alunos era muito exigente, e a concorrência chegava a 17 candidatos por vaga (cerca de 5000 mil alunos para 300 vagas). O colégio chamava a atenção pela parte artística, em especial, pelas aulas de teatro e o coral. Hoje, infelizmente, o colégio passa por muitas dificuldades e já não é mais referência de bom ensino na cidade.

Tendo construído uma boa base cultural, se manteve sempre ligado à arte, mesmo que indiretamente. Na adolescência, o futuro ator e diretor, vendia livros para se sustentar, e já se integrava nos teatros do subúrbio carioca. Segundo o próprio ator, ele vendeu livros durante quatro anos (dos 15 aos 19 anos), e aos 19 anos, ele se casa com Lúcia.

O casamento com a amiga da turma, Lúcia, com quem ele frequentava o Píer de Ipanema, foi realizado na igreja, mas durou apenas um ano. Os dois permaneceram amigos após o término. Com a separação, Jorge Fernando passou a seguir o grupo teatral Dzi Croquettes, acompanhando-os em seu exílio na França, algo que teve um impacto definitivo em sua carreira. Para ele, esse foi o começo de tudo.

Dzi Croquettes foi um grupo de teatro e dança brasileiro que atuou nos anos 1970. Criado em 1972, seu primeiro espetáculo Gente Computada Igual a Você era formado por diversos monólogos, que misturavam momentos de canto e dança. O grupo tinha um visual extravagante, maquiagem marcante e roupas femininas. Esse caráter andrógeno incomodou as autoridades do regime militar, que acabaram censurando o espetáculo. Esse foi o motivo do exílio. O grupo se mudou para Paris e chegaram a se apresentar no teatro Le Palace. Lá, eles tiveram apoio de Liza Minelli (atriz e ganhadora do Oscar de melhor atriz), que os levou a uma colaboração com o cineasta Claude Lelouch, no filme Le Chat et la Souris. Levando em consideração todas essas características inovadoras, é possível imaginar como esse grupo influenciou Jorge Fernando.

Outro ponto que deve ser mencionado na biografia de Jorge Fernando diz respeito à sua orientação sexual. Jorge Fernando viveu a sua adolescência no final dos anos 1960, em um ambiente ainda mais opressor que os dias de hoje. No entanto, segundo ele mesmo relata, quando ele assumiu para a família que era homossexual, a revelação foi aceita com muita naturalidade pela mãe. Ele chegou a indagar se a mãe não teria algo a questionar, mas ela teria dito que "Não", e então eles foram tomar um sorvete.

Sempre foi bastante despojado, não gostava de formalidades, tendo sido o primeiro artista a entrar nos estúdios da Globo de shorts (algo que pode ser considerado normal atualmente, mas que tinha um grande impacto naquele tempo). De fato, ele é considerado, dentre os muitos diretores de novela da Globo, como o mais irreverente e mesmo anticonvencional. Não só não seguia a formalidade de trajes, mas também gostava de aparecer em suas novelas, e vivia fazendo brincadeiras com os atores para descontrair o ambiente. Gostava de viajar e fazer extravagâncias, mas também ajudava financeiramente outras pessoas.

Um último aspecto de sua vida que merece ser mencionado: ele foi o grande incentivador da carreira artística de sua mãe. Hilda Rebello sempre esteve ligada à arte e ao teatro, mas se profissionalizou apenas aos setenta anos, com o apoio do filho, algo que a levou para o Livro dos Recordes (1994), como a atriz que iniciou a sua carreira com a idade mais avançada. Seu grande destaque foi, Menino Maluquinho – O Filme, no papel da avó do personagem principal.


CARREIRA

Jorge Fernando tem seu nome vinculado principalmente como diretor de núcleo da Rede Globo, tendo obtido um grande sucesso em telenovelas das sete dos anos 1980, em especial, aquelas escritas por Silvio de Abreu e Cassiano Gabus Mendes. Dentre os seus principais trabalhos se destacam: Guerra dos Sexos, Que Rei sou Eu? e A Próxima Vítima. Vamos falar um pouquinho dessas histórias.


PRINCIPAIS TRABALHOS

Guerra dos Sexos foi uma telenovela brasileira exibida pela Rede Globo entre 6 de junho de 1983 e 7 de janeiro de 1984. Dirigida por Jorge Fernando e Guel Arraes, e escrita por Sílvio de Abreu, com colaboração de Carlos Lombardi, a telenovela abordava os conflitos entre homens e mulheres. No elenco, nomes como: Fernanda Montenegro, Paulo Autran, Glória Menezes, Mário Gomes, Maria Zilda Bethlem, José Mayer, Cristina Pereira, Edson Celulari, entre outros.

O enredo tinha como foco as disputas entre os primos Charlô (Fernanda Montenegro) e Otávio (Paulo Autran), que recebem como herança de um tio, chamado Enrico, uma rede de lojas, Charlô’s, e uma mansão, onde moram. A convivência dos dois, tanto em casa, quanto no escritório se torna impossível, e tendo como pano de fundo as supostas diferenças entre homens e mulheres. Uma das cenas marcantes da novela é a do café da manhã protagonizada pelos atores: Fernanda Montenegro e Paulo Autran.

Em 1983, Jorge Fernando recebeu o prêmio de melhor direção da Associação Paulista de Críticos de Arte, por seu trabalho em Guerra dos Sexos.

Outra novela dos anos 1980 de muito sucesso foi Que Rei sou Eu?, que foi ao ar no ano de 1989. A comédia, que satirizava o gênero “capa e espada” (que é um estilo de dramaturgia baseado nos heróis clássicos de capa e espada cujas principais características estão: serem habilidosos e implacáveis com as espadas, mas também exibidos e orgulhosos), ironizou o sistema político brasileiro.

A história se passava no reino fictício de Avilan, em 1786 (alguns anos antes da Revolução Francesa). Com a morte do rei Petrus II (Gianfrancesco Guarnieri), e a inaptidão da rainha Valentina (Tereza Rachel) para assumir o reinado, o trono fica vago. No entanto, em seu testamento, o rei afirmar ter um filho bastardo, que seria o real herdeiro do trono. Como em várias histórias reais, a rainha é cercada de conselheiros que tentam manipulá-la tendo em vista benefícios próprios. Paralelo a isso, o líder da revolução, Jean Pierre (Edson Celulari), ao descobrir que é o filho bastardo do rei, passa a lutar pela coroa que lhe pertence.

Já nos anos 1990, é lançada a novela A Próxima Vítima, exibida pela Rede Globo no horário das oito de 13 de março a 3 de novembro de 1995. Escrita por Sílvio de Abreu (juntamente com Alcides Nogueira e Maria Adelaide Amaral), e com direção de Jorge Fernando (direção geral e núcleo), Rogério Gomes, Marcelo Travesso e Alexandre Boury. No elenco, nomes como: Tony Ramos, Susana Vieira, José Wilker, Aracy Balabanian, Cláudia Ohana, Natália do Vale, Paulo Betti e Tereza Rachel.

Enredo: Francesca Ferreto (Tereza Rachel) descobre que o seu marido, Marcelo (José Wilker), era infiel. Na verdade, Marcelo tinha uma outra família com uma mulher simples, dona de uma cantina, chamada Ana (Susana Vieira). Com Ana, ele teve três filhos: Carina (Deborah Secco), Sandrinho (André Gonçalves) e Giulio (Eduardo Felipe). Juca (Tony Ramos), o meio-irmão de Marcelo, era um admirador de Ana. Sua personalidade era completamente distinta de Marcelo. Ele era um homem simples dono de uma barraca de frutas no Mercado Municipal de São Paulo.

Marcelo trabalhava como executivo na empresa da família da esposa, o Frigrífico Ferreto. A família Ferreto é uma típica família de telenovelas que coloca os seus interesses sempre em primeiro plano. Filomena (Aracy Balabanian), que era irmã de Francesca e de Carmela (Yoná Magalhães), controlava não só a empresa da família como também a vida de suas irmãs, além de fazer seu marido, Eliseo (Gianfrancesco Guarnieri), de capacho. Como não pôde ter filhos, Filomena mimava a sua sobrinha e filha de Carmela, Isabela (Cláudia Ohana). Isabela era envolvente, fascinante, mas sem o menor caráter. É tida como a grande vilã da novela. Ela tinha um caso com o tio Marcelo, apesar de noiva de Diego (Marcos Frota).

Tudo muda quando Francesca é assassinada. Romana (Rosamaria Murtinho), a quarta irmã da família Ferreto, volta ao Brasil em companhia de seu namorado Bruno (Alexandre Borges). Irene (Viviane Pasmanter), amiga de Diego, é uma estudante curiosa que alega haver uma relação entre a morte de Francesca e outros dois crimes: de sua tia, Júlia Braga (Glória Menezes), e do seu pai, Hélio (Francisco Cuoco). A mãe de Irene, Helena (Natália do Vale), vivia um casamento ruim e ficou aliviada com a morte do marido. Livre, passou a viver o seu amor por Juca.

Ao mesmo tempo que Irene investigava os crimes, outras mortes acontecem, todos ligados: antes de morrer, as vítimas recebiam uma lista do horóscopo chinês. A forma com que é contada a história faz com que o telespectador fique curioso não só para descobrir o assassino, mas também para descobrir, quem será a próxima vítima.

No final deste texto, temos a lista completa de novelas que foram dirigidas por Jorge Fernando.

Além de novelas, Jorge Fernando também dirigiu filmes, como as comédias A Guerra dos Rocha, Se Eu fosse Você e o seriado Sai de Baixo, que fez um grande sucesso no final dos anos 1990. Sua carreira não ficou restrita à direção. Fez, por exemplo, o papel de Zetó, na novela Bebê a Bordo, além de participar inúmeras vezes em suas próprias novelas. Seu último papel foi “Mendoncinha” em Verão 90 (esse foi também o seu último trabalho como diretor).

Além dirigir novelas e filmes, Jorge Fernando também dirigiu shows e espetáculos, com destaque para: Destino de Aventureiro, com Ney Matogrosso, Desejos, com Simone e Não Perca o Tom, com Tom Cavalcanti. Trabalhou ainda com grandes nomes da música como: Sidney Magal, Guilherme Arantes, Elba Ramalho, duplas sertanejas, etc.


DOENÇA E MORTE

Os problemas de saúde de Jorge Fernando começaram em 2016, quando passou 18 dias internado em um Hospital, por causa de uma pancreatite. Em 2017, sofreu um AVC e precisou ser submetido a uma cirurgia. Passou, então, a necessitar de acompanhamento constante. No dia 27 de outubro de 2019, o ator começou a passar mal e foi hospitalizado, mas morreu, com 64 anos, devido a uma parada cardíaca, consequência de uma dissecção de aneurisma da aorta.


LISTA COMPLETA DE NOVELAS DE JORGE FERNANDO COMO DIRETOR (ANO –PROGRAMA – AUTOR)

1981 – Jogo da Vida – Silvio de Abreu e Janete Clair
1982 – Sétimo Sentido – Janete Clair
1982 – Sol de Verão – Manoel Carlos
1983 – Guerra dos Sexos – Silvio de Abreu
1984 – Vereda Tropical – Carlos Lombardi
1986 – Cambalacho – Silvio de Abreu
1987 – Brega & Chique – Cassiano Gabus Mendes
1989 – Que Rei Sou Eu? - Cassiano Gabus Mendes
1990 – Rainha da Sucata – Silvio de Abreu
1991 – Vamp – Antônio Calmon
1992 – Deus Nos Acuda – Silvio de Abreu
1995 – A próxima Vítima – Silvio de Abreu
1996 – Vira Lata – Carlos Lombardi
1997 –Zazá – Lauro Cézar Muniz
1998 – Angel Mix – Boninho
1998 – Era Uma Vez ... – Walther Negrão
1999 – Vila Madalena – Walther Negrão
2000-01 – Sai de Baixo – Luís Gustavo e Daniel Filho
2000-03 – Gente Inocente – Detto Costa
2001 – As Filhas da Mãe – Silvio de Breu
2003 – Chocolate com Pimenta – Walcyr Carrasco
2005 – Alma Gêmea – Walcyr Carrasco
2005 – Especial Xuxa 20 anos – Boninho
2007 – Sete Pecados – Walcyr Carrasco
2008 – Nada Fofa – Fernanda Young e Alexandre Machado
2009 – Caras e Bocas – Walcyr Carrasco
2010 – Ti Ti Ti – Maria Adelaide Amaral
2011 – Macho Man – Fernanda Young e Alexandre Machado
2012 – Dercy de Verdade - Maria Adelaide Amaral
2012 – Guerra dos Sexos – Silvio de Abreu
2013-2014 – Divertics – Cláudio Torres Gonzaga
2014 – Alto Astral – Daniel Ortiz
2016 – Êta Mundo Bom! – Walcyr Carrasco
2019 – Verão 90 – Izabel de Oliveira Paula Amaral


PARA SABER MAIS